As 10 melhores cidades para se viver como estrangeiro

Melhores Cidades  – Vivendo como Estrangeiro

Viver no longe de casa é um desafio, mas alguns destinos são garantia de qualidade de vida para os estrangeiros. As melhores opções estão longe de ser as mais visitadas por turistas, que só buscam férias confortáveis. Quando o assunto é viver o cotidiano local, fatores como infraestrutura e segurança precisam ser levados em conta.

Pelo 18º ano, a empresa de consultoria Mercer avaliou 440 cidades do mundo e apontou aquelas que apresentam melhor qualidade de vida para os estrangeiros. O ranking levou em conta fatores como o cenário político, social e econômico, estrutura dos serviços de saúde e educação, transporte, valor dos bens de consumo e custo de moradia.

Veja também:

Trabalhar em Portugal – Você sabia?

Dublin – A queridinha dos brasileiros

1 – VIENA

Uma imponente oferta cultural, lugares turísticos fascinantes e o acolhedor ambiente vienense podem ser vivenciados nos cafés ou nos Heurigen (típicas tabernas austríacas), que proporcionam à cidade sua fama mundial.

A história de Viena remonta ao primeiro século depois de Cristo, quando os romanos fundaram o acampamento militar “Vindobona”. Atualmente, a imagem da cidade está marcada principalmente pelo Barroco, especialmente o do período da regência da imperatriz Maria Teresa e do imperador Francisco José, que mandou construir a luxuosa alameda Ringstraße.

A suntuosidade imperial no Palácio de Schönbrunn, antiga residência de verão do imperador, seduz com seu belo parque, a Casa das Palmeiras (Palmenhaus), a praça e o jardim zoológico. No Palácio de Hofburg, de onde o império dos Habsburgo regia, o visitante pode mergulhar no fascinante dia-a-dia da família imperial.

Palácio de Balverde, de estilo barroco, acolhe hoje a Galeria da Áustria, que apresenta a maior coleção de obras de Klimt e Kokoschka, além de proeminentes obras de Schiele. Os símbolos de Viena são a Catedral de São Estevão, situada no centro histórico, a Roda Gigante, situada no Wiener Prater, um tradicional parque de diversões, e a Escola Espanhola de Equitação, com sua famosa dança dos Lipizanos.

PEÇA AGORA MESMO SEU ORÇAMENTO PARA CIDADES DA EUROPA!

2 – ZURIQUE 

A cidade de Zurique encontra-se situada no coração da Europa e no centro da Suíça, à margem norte do Lago Zurique. Seu sabor multicultural e a variedade de atividades de lazer oferecidas atraem visitantes de todo o mundo a esta “região de atalhos”. É muito fácil e rápido chegar a Zurique, seja de trem, avião ou carro. O aeroporto internacional tem conexões diretas com mais de 150 destinos. Com um passeio de trem de apenas 10 minutos do aeroporto, chega-se à Estação Ferroviária Principal de Zurique, que, situada bem no centro da cidade, é considerada eixo ferroviário central da Europa.

Mais de 400.000 pessoas vivem neste centro de negócios, ciência e informação. Graças à sua infra-estrutura de alta qualidade, localizada em meio a um ambiente natural, ela se tornou um local popular de estudo e pesquisa. Por exemplo, a Universidade de Zurique ou o Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique (ETH), construído entre os anos 1858 e 1864 por Gottfried Semper; o ETH hoje está associado a 21 ganhadores do prêmio Nobel.

3 – AUCKLAND 

É a maior cidade da Nova Zelândia com uma população de mais de um milhão de residentes, isto faz de Auckland o centro comercial e de manufatura da Nova Zelândia. Muitas corporações Neozelandesas hoje tem seu escritório central lá. Tecnologia, biotecnologia, marítima, produções de filme e TV, alimentos e bebida e engenharia são as principais industrias da região.

Auckland possui uma ótima estrutura completamente voltada para a hospitalidade e turismo. Localizada entre dois portos, com centenas de barcos ancorados os quais você poderá apreciá-los velejando todos os finais de tarde diante de um belíssimo por do sol. Cidade onde também é sede de regatas internacionais como foi da “The America´s Cup” e a “Louis Vuitton Cup” realizadas no País em 2002/2003. Tem acesso fácil devido a grande variedade de ônibus para todas as direções da cidade. O custo de vida em Auckland é um pouco mais elevado do que em outras cidades da NZ, porém se você estiver trabalhando por lá compensa, pois o nível salarial também é mais alto.

4 – MUNIQUE

Embora mundialmente conhecida pelo Oktoberfest, festival de cervejas anual realizado desde 1810, Munique oferece uma série de atrações que fazem deste um dos destinos turísticos mais procurados da Alemanha. Repleta de belezas e riquezas incalculáveis, a capital da região da Baviera também chama a atenção por ser um lugar onde história e tradição convivem com a modernidade de uma cidade potencialmente industrial. Prova disso é que uma das maiores fabricantes de automóveis e motocicletas do mundo, a BMW, foi fundada na metrópole e lá mantém sua sede até os dias atuais.

Apesar do charme e da sofisticação presentes em cada esquina, Munique ainda mantém um certo provincianismo. Essa característica fica bastante perceptível no dia a dia, na deliciosa e substanciosa culinária, nos costumes e na maneira de celebrar a vida. Aliás, a capital da Baviera é conhecida por ser um lugar de vários festejos, todos regados a muitos litros de cerveja. Nos meses de janeiro e fevereiro, por exemplo, acontece o Fasching, o Carnaval da cidade, com desfiles multicoloridos, bailes de gala, festas à fantasia, alegria e animação para dar e vender.




5 – VANCOUVER

Não há lista de melhores cidades do mundo para viver em que Vancouver não apareça. Voltada para o Pacífico, recortada por montanhas, cheia de praias e florestas, essa cidade da costa oeste do Canadá é realmente maravilhosa. Lembra o Rio de Janeiro? Sim. Mas suas peculiaridades a tornam um lugar de sonhos: a mistura de sotaques, o toque asiático, a modernidade, a cultura, as comidinhas. Isso tudo em um cenário daqueles: Vancouver faz o viajante querer ser mais saudável, fazer esportes e aproveitar a vida.

6 – DUSSELDORF 

Quando o assunto é modernidade, os alemães estão entre os campeões. Com cidades repletas de boa infraestrutura para atender tanto moradores quanto turistas, a Alemanha também está à frente quando o assunto é respeitar a diversidade. Suas iniciativas educativas e respeitosas frente ao público LGBT incluem guias para jogadores gays – um projeto contra a homofobia no futebol – e a opção de registrar recém-nascidos como sendo pertencentes ao ‘terceiro sexo’. Entre as grandes cidades abertas a essas novidades, está Düsseldorf.

Localizada à beira do Rio Reno, a cidade possui ares cosmopolitas, com empreendimentos futuristas e vida cultural agitada. Por outro lado: há um sentimento histórico muito forte, presente em algumas construções antigas que conversam com os avanços vistos pelas ruas, fazendo com que presente, passado e futuro dialoguem perfeitamente.

PEÇA AGORA MESMO SEU ORÇAMENTO PARA CIDADES DA EUROPA!

7 – FRANKFURT

Frankfurt é um destino visto por muitos como um ponto de chegadas e partidas na Europa, apenas. E muito dessa ideia equivocada se deve à excelente posição geográfica da cidade e grande centro financeiro no Velho Continente, um hub que recebe voos diretos das mais diversas partes do mundo, inclusive do Brasil.

O que muitos não sabem, no entanto, é que a maior cidade do estado de Hesse, a quinta maior da Alemanha, é um centro turístico que vale a pena demais ser explorado, cheio de excelentes museus, belas paisagens — especialmente às margens do Rio Meno, que corta a cidade —, restaurantes com comida local deliciosa, farta e barata, bares que servem o famoso Apfelwein ou Äppelwoi (espécie de sidra) e muito mais.

8 – GENEBRA 

O símbolo da “menor metrópole do mundo” é o “Jet d’eau” – uma fonte cujo jato d’água chega a 140 metros de altura, situado na periferia do Lago Genebra. A maioria dos grandes hotéis, assim como muitos restaurantes, estão situados na margem direita do lago. A parte antiga da cidade, o coração de Genebra, onde ficam as áreas comercial e financeira, prevalece na margem esquerda. Apesa de ser dominada pela Catedral de São Pedro, o centro em si da parte antiga da cidade chama-se Place du Bourg-de-Four, a praça mais antiga da cidade. Cais, calçadões ao largo da margem do lago, incontáveis parques, animadas ruas laterais no centro histórico e elegantes lojas são bastante convidativas a um passeio. Uma das ruas mais bem preservadas é a Grand Rue, onde Jean-Jacques Rousseau nasceu. As “mouettes” (um tipo de táxi aquático) permitem cruzamentos de uma margem do lago a outra, enquanto navios de maior porte convidam os visitantes a desfrutar de passeios de barco no Lago Genebra.

Genebra é cidade mais internacional da Suíça, pois é a sede europeia da ONU. É também daqui que a Cruz Vermelha Internacional dirige suas campanhas humanitárias. Além de ser uma cidade de congressos, Genebra é também um centro de cultura e história, de feiras e exposições. O “Horloge Fleuri”, grande relógio em forma de flor do “Jardin Anglais” (Jardim Inglês), é um símbolo mundialmente famoso da indústria de relógios de Genebra.

PEÇA AGORA MESMO SEU ORÇAMENTO PARA CIDADES DA EUROPA!

 9 – COPENHAGEN

Reis, rainhas, princesas e contos de fada. Só que não tem nada da fantasia hollywoodiana dos parques americanos da Disney. Em Copenhague, os castelos são reais… e deslumbrantes. Ver a troca de guarda em Amalienborg ou conhecer toda a história da família real dinamarquesa, cheia de joias e coroas, no Rosenborg Slot faz a gente se sentir como um membro da realeza.

Na mesma cidade, está a estátua da Pequena Sereia, um dos contos mais famosos de Hans Christian Andersen, o que deixa a capital dinamarquesa com um toque ainda maior de fantasia. Quem, aliás, vive em um universo paralelo são os moradores de Cristiania, o bairro hippie da cidade, que tenta sobreviver como uma sociedade alternativa. E para quem quiser ter uma ideia da origem da cidade – que surgiu como um porto – misturada com um toque de modernidade, o lugar certo  é Nyhavn e suas casas antigas e restaurantes sofisticados.

10 – SYDNEY 

G’day mate! É assim o “bom dia” na Austrália, ou “Oz”, como eles mesmos gostam de dizer. Capital do estado de New South Wales (Nova Gales do Sul), Sydney costuma ser confundida com a capital da Austrália, que na verdade é Camberra. A metrópole com cerca de 4,8 milhões de habitantes é a maior do país e concentra cerca de 20% da população nacional, e mesmo não sendo a capital, em alguns aspectos é quase como se fosse. 

A cidade mais visitada da Austrália é vibrante, moderna e segura. Fundada em 1788, sua história recente começa quando os pioneiros britânicos decidem fundar uma colônia penal no local. E no desenrolar dos fatos, de colônia penal e terras aborígenes, povo que ocupa o país há milhares de anos, ela se transformou na maior cidade da Oceania. Ela é como uma síntese do que a Austrália reserva aos seus visitantes.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *